Impacto da pandemia para os microempreendedores

    Impacto da pandemia para os microempreendedores

    As relações humanas, assim como o comportamento de compra dos consumidores, mudou consideravelmente por causa do impacto da pandemia do novo coronavírus. Isoladas em suas casas, as pessoas começaram a buscar novas alternativas e as compras virtuais fazem cada vez mais parte do cotidiano.

    Em razão do fechamento dos estabelecimentos comerciais, que impede o atendimento presencial, a venda online, seja pelo e-commerce ou por aplicativos, tem se mostrado uma opção para o pequeno empreendedor driblar a crise de alguma forma.

    Para você ter ideia, 10,1 milhões de empresas pararam de funcionar temporariamente, sendo 2,1 por decisão da empresa e 8 milhões por determinação de governo. Além disso, 602 mil empresas fecharam as portas recentemente por conta da crise do corona vírus. Todos esses dados foram levantados pelo Sebrae.

    Essa pesquisa feita pelo Sebrae, no início do mês de abril, foi interessante porque também apontou as três maiores medidas governamentais que poderiam ajudar os microempreendedores nesse momento: empréstimos sem juros, auxílio temporário para subsistência do empresário e sua família e reduções dos impostos e taxas.

    Ou seja, há muito a se fazer. Portanto, precisamos enfatizar e colocar em pauta na Câmara dos Deputados a situação dos microempreendedores. Encontrar soluções para que os prejuízos sejam amenizados, para que as famílias possam ter a oportunidade de gerar renda e sustentar seus lares.

    Nesta quarta-feira, 20 de maio, às 19h, farei uma live sobre “Como empreender em tempos de crise?”. Vou falar de como podemos pensar em oportunidades de manobrar essa crise e evitar maiores prejuízos para o seu negócio.

    Além disso, terei a participação de duas convidadas para debater oportunidades para jovens empreendedores: a Lohanny Machado, microempreendedora, e Andrea Guedes, coordenadora do programa Decola Jovem.